Receba oportunidades por e-mail
Voltar

O cultivo de ostras no Brasil




Cultivo Long-line
Vida Marinha
20/06/2011

As ostras são velhas conhecidas da população brasileira. Largamente consumidas no verão, temporada de praias e de uma alimentação à base de frutos do mar.  As ostras são moluscos bivalves encontrados em águas costeiras rasas, na faixa de frio moderado. As ostras de maior importância econômica pertencem ao gênero Crassostrea, devido ao valor alimentício da carne e do uso da concha como matéria prima na fabricação de produtos industriais e medicinais. A ostra do mangue, por exemplo, está distribuída ao longo de todo litoral Norte e Nordeste.

Mas a espécie mais cultivada no Brasil é a ostra japonesa ou ostra do pacífico, que se destaca pelos seus ótimos índices zootécnicos (nível produtivo e reprodutivo). A espécie tem um rápido crescimento, mas requer temperaturas mais baixas. Desenvolve-se em águas com temperatura até 29ºC, apresentando melhores desempenhos abaixo de 26ºC, sendo indicada para o sul do Brasil, onde o clima temperado favorece seu crescimento nas baías do litoral. O estado de Santa Catarina apresenta as condições ideais, sendo um dos melhores locais do mundo, para o cultivo desse molusco. Só neste ano calcula-se que o Estado cultive dois milhões de sementes de ostra.

Em Florianópolis, o maior cultivo de ostras concentra-se na Fazenda Marinha Paraíso das Ostras.

“O cultivo na nossa fazenda é feito no sistema de Long-line ou espinhel. O Long-Line é uma estrutura que permite cultivar moluscos em regiões mais abertas e profundas, sujeitas a maiores forças empregadas pela natureza. A profundidade mínima para sua instalação deve ser maior do que três metros na maré mais baixa do ano. O sistema é constituído basicamente por um cabo ancorado e mantido suspenso na água por meio de bóias. A linha principal deve guardar certa distância da superfície. O espaçamento entre um espinhel e outro é dado conforme as condições do local e também de acordo com a dimensão das embarcações que irão operar no cultivo. O cultivo da ostra japonesa é feito em ambiente marinho”, revela Vinicius Marcus Ramos, proprietário da Fazenda Marinha Paraíso das Ostras.

O consumo de ostras no País está bastante relacionado com a época do ano. Segundo Vinicius Marcus, de um modo geral, há um consumo maior do molusco durante o verão, quando o turismo nas cidades litorâneas aumenta, principalmente em Florianópolis:

“No Sul, as ostras estão mais presentes no cardápio dos brasileiros, já que aqui são encontradas com mais facilidade e com maior qualidade. Mas, o consumo no Brasil ainda é pequeno comparado a outros países no mundo como Espanha, França e China”, revela o proprietário.

Os preços

No Brasil as ostras são vendidas por dúzia e o preço varia de acordo com o tamanho (tempo de cultivo) dos bivalves. Na Fazenda Marinha Paraíso das Ostras existem três tamanhos de ostra que podem variar de R$ 6,00 a R$ 8,00 a dúzia.

Os pratos

As ostras pequenas são indicadas para comer in natura, já as médias são bastante utilizadas nos preparos de pratos gratinados e no bafo.

As grandes, conhecidas como masters, são à base de partos como risotos e paellas – famoso prato espanhol.

Mais receitas também podem ser obtidas no site www.paraisodasostras.com

Bruna Sales para Bombarco
Foto: divulgação